Das coisas boas que a emigração me trouxe foram as escapadelas: desde as de fim de semana como as de longa duração. E, como devem calcu...

Já se imaginaram com o Rocky Balboa e o 007 no mesmo avião que vocês?

domingo, maio 28, 2017 MeiaLeca 0 Comments


Das coisas boas que a emigração me trouxe foram as escapadelas: desde as de fim de semana como as de longa duração. E, como devem calcular, um dos destinos que virou carimbo recorrente no meu passaporte caducado há mais de 4 anos, foi Portugal. Pelo menos, três vezes por ano lá estou eu a marcar ponto no país que me viu nascer e que tanta falta me faz. Mas, ao contrário do verdadeiro emigras, que vai sempre à terrinha de carro com o cachecol de Portugal atrás - se não estiver bem à vista, não vale - e ao som de Tony Carreira, é claro, eu faço sempre o trajeto de avião. Fina, muitos dirão. Mas, acreditem, andar de avião pode ser um verdadeiro teste de sobrevivência!

Imaginem a seguinte cena: chegou o grande dia de voltar a casa. Depois de horas de grande ansiedade, finalmente entro no avião, procuro o meu assento, livro-me da bagagem de mão e coloco no compartimento. Aperto o cinto, pego no meu livro para relaxar e, de repente... acordo para a realidade quando sinto um Rocky Balboa atrás de mim a dar-me um rotativo no banco! De certeza que muitos de vocês já se cruzaram com um destes.

Mas este personagem interpretado por esse grande ícone do cinema dos tempos modernos de antigamente (tam tam tam tammm 🎹), Sylvester Stallone, é apenas um exemplo dos muitos tipos de passageiros, com hábitos bem irritantes, que tive o azar de partilhar o mesmo voo - bem ao meu ladinho! É, exatamente, nestas alturas que dou conta que os opostos não se atraem coisa nenhuma. Vão masé enganar outra!! "Eles são mais que às mães" e eu tinha que partilhar isto com o mundo.

1. O Rocky Balboa


Como referi acima, este é aquele tipo de passageiro que acha que o banco da frente é um saco de boxe. E marcha tudo: cotoveladas, pontapés... Uma verdadeira montanha russa para o, ou a, infeliz que vai à frente. Shame on you!

2. O marcha à ré


O passageiro marcha à ré é, claramente, o infeliz que teve o azar de levar com um Rocky Balboa atrás dele durante um voo inteiro. Para se vingar, toma lá uma reclinada mata leão do assento que até choras!

Apanhei um destes no meu último voo para Portugal. Com apenas 3 horas de sono, estava completamente K.O. durante a viagem. Muito dificilmente consigo dormir num avião, principalmente quando vou no meio de dois marmanjos. Fico sempre com medo de dar aquele cochilo básico no ombro alheio. Mas, dessa vez, tive a infelicidade de abrir a mesinha do encosto da frente e deitar a cabeça. Foi tira e queda: o senhor da frente sentiu o chamamento e, logo de seguida, toca de reclinar o banco. Só não estrangulou a minha cabeça porque já são muitos anos a conviver com estes camaradas.

3. O sneaky


Mais conhecido por aquele que faz pela calada! A verdade é que parece que andam muitos supersticiosos por aí que gostam de "entrar" com o pé direito nos braços dos assentos dos outros passageiros. Volta não volta, lá estão eles, muito sneakys, a esticar o pézinho em território vizinho. Se o cheirinho não os denunciasse, estavam nas sete quintas!

E eu sei bem daquilo que vos falo. Também já apanhei um destes durante uma viagem de 11 horas de autocarro com destino a São Paulo, Brasil. Estava eu muito bem encostada à janela, com a mão a apoiar o queixo enquanto via a vista noturna, quando sinto um pé de gesso a fazer me cócegas no cotovelo. SOCORRROOOO!

4. O chato de galocha


O chato de galocha é aquele passageiro extremamente chato e, às vezes, bastante desagradável. Tipo um chato especial, um upgrade do chato habitual, sabem? É aquele chato resistente, caraterística da própria galocha...

Estava tudo a correr bem até aquele chato de galocha se sentar ao meu lado - só que sem galocha - e pensar que chamar a hospedeira de bordo é como fazer zapping na televisão. Nunca estão satisfeitos com nada. Ora estão com calor, ora estão com sede. Mas melhor, melhor é quando eles se lembram de ir à casa de banho quando as comissárias estão a obstruir a passagem enquanto servem a merenda ao resto da malta. E depois, como se isso não bastasse, ainda há uma derivação desta espécie...

5. O carente


Esta ave rara tem muito que se lhe diga. E eu que o diga! Também na minha última viagem a Portugal apanhei um destes. Mas pior, pior é quando dois carentes se juntam e tu está no meio a levar com o fogo cruzado. Foi exatamente isso que me aconteceu. A pior viagem que já fiz! Foi como se o diabo tivesse lembrado de concentrar todos os hábitos mais irritantes de um passageiro numa só pessoa. A alminha que foi sentada ao meu lado direito, também ele português, queria à força toda fazer amizade comigo. Nem com os fones no ouvido e a ler um livro (a fingir, porque com aquele papagaio era impossível) o gajo se calava. Como comigo não funcionou (mas mesmo assim não desistiu), o bastardo decidiu mudar o foco e começou a puxar pela alminha que estava a aquecer o rabinho no assento do meu lado esquerdo. Então, foi isto a viagem inteira: um fogo cruzado de bafos enquanto invadiam os braços do meu banco.

(Ainda tenho mais peripécias para vos contar sobre este senhor que me acompanhou nesta viagem. Mas fica para o próximo capítulo)

6. Os aromáticos


Hum... Tenho um especial problema com esta espécie. Ninguém merece levar com uma pessoa mal cheirosa um voo inteiro. Seja pelo bafo do carente, como do chulé do sneaky! Pior, pior só quando o pistoleiro da frente decide mandar um torpedo!


AHHH, pensavam que tinha acabado? Na... 😂😂😂 Ainda tenho mais umas pérolas para vos contar. Mas fica para a próxima! Por isso, fiquem atentos.

Abreijos!



0 comentários: